Meu perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, JARDINS, Mulher, de 36 a 45 anos, Portuguese, English



Arquivos

    Votação
     Dê uma nota para meu blog

    Outros links
     Para mim os animais importam!




    RELIGARE!
     


    QUEBRA E REQUEBRA

    Nos vídeos de hip hop, as garotas rebolam e os caras, yo!  Nas canções de bossa-nova, as garotas rebolam e os caras se enchem de graça.  Em Os Homens Preferem as Loiras, Marilyn Monroe e Jane Russell rebolam e os caras se arrebatam.

     

    Mas em Salvador as garotas rebolam... e os caras rebolam ainda mais!  A Daniela pede:  “Agora com a mão na cabeça até o chão!”  Eliana de Deus!!  Cada negão lindo, sarado, a mão na cabeça, quebrando e requebrando...



    Escrito por LUX! às 15h08
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    MY SENSE OF NOT BELONGING

    Recebi como um dom, uma graça, essa capacidade de sentir o aqui e agora como perfeito, o paraíso, o melhor lugar do mundo.  Não precisei trabalhar isso.  Um dia desejei, e expressei para o meu grupo de HD:  “Queria tanto, pelo menos uma vez, sentir-me parte de uma rave, um jogo de futebol, um carnaval.”  Wish granted!  Creio que um anjo passou e disse amem.

    Até então era angustiante estar num lugar em que não desejava estar.  Minha estratégia era pensar naquilo como uma experiência antropológica, material para estória, para auto-conhecimento, ou mesmo para um script. 

     

    Um script sobre a minha inadequação social, o meu sentir-me estrangeira, o meu sense of not belonging.  Esse script, eu o escreveria com cores de comédia romântica... Vejo-me interpretada por Sandra Bullock, Jennifer Aniston ou Debra Messing, aquela de Will & Grace, que Hollywood adora mostrar mulheres lindíssimas com um sense of not belonging... 



    Escrito por LUX! às 15h08
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    REQUEBRA!!!

    Eu piso no nosso camarote na Avenida Oceânica e registro os primeiros acordes da Banda Cheiro como uma ordem:  Requebra!!!  Requebra, requebra, requebra assim, pode falar, pode rir de mim!

     

    Carnaval não é a minha praia, eu poderia estar com o Ricardinho no Café Havanna, com o Clio no Suplicy, I’d rather be sailing.  Mas, não sei bem como, de repente estar aqui me parece perfeito, o paraíso, o melhor lugar do mundo.  Talvez seja a entrega, o poder do aqui e agora, não sei.  Eu me transformo, me transfaço, me reinvento, eu deixo fluir.

     



    Escrito por LUX! às 15h07
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    EU TENHO TANTO PRÁ TE FALAR

    Com tanta coisa rolando durante o carnaval, será que terei tempo de blogar? 

     

    E eu tenho tanto para compartilhar.  Finalmente cheguei à metáfora perfeita para expressar o que sinto por minha amiga de fé irmã camarada Eliana, essa mulher linda, forte, sorridente.  Elegi Seu Jorge o melhor intérprete da música brasileira.  Elaborei o diálogo perfeito entre duas das minhas canções favoritas, São Gonça de Seu Jorge e Waiting in Vain de Bob Marley, na lindíssima interpretação de Annie Lennox.  Estou descobrindo o poder da rendição, o "aceitar" como virtude, e não o "desistir" como derrota.  Entre ontem e hoje senti as primeiras saudades da minha vida em São Paulo.  Estou em Lençois, o lugar mais bacana do planeta.  A pele bronzeada e o cabelo mais longo, mais pesado, dão-me um visual com algo de evangélico.  Será que dessa vez aceito a repaginação visual que o Ricardinho quer fazer em mim?  Vejo o Clio em cada bicho, o Thomas vê a França em cada mato.  A baianidade me faz lembrar das virtudes gregárias da minha mãe e dos meus irmãos.  Entre todas as virtudes do Tommy, adoro que ele seja palmeirense roxo.



    Escrito por LUX! às 22h30
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    I N C R Í V E L !

    Meus amigos, hoje o blog faz dez dias.  Nesses dez dias, recebemos 460 visitas.  Se são 46 visitantes por dia, ou um único visitante entrando 46 vezes por dia, isso não sabemos.  De todo modo, é INCRÍVEL!

     

    Dois dos visitantes mais fiéis são meus queridos pais.  Mas disso nós já sabíamos, eu já contei que meus pais são "tô aqui!" para caramba. 

     

    Meu pai empolga-se e diz que estou revelando um talento de escritora.  Agradeço de coração mas...take it EASY, daddy!

     

    Mon Dieu, já estou usando eu majestático!!!  What's next?



    Escrito por LUX! às 22h00
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    ON A FIRST NAME BASIS

    Por aqui se diz Margareth, Daniela, Ivete.  Ora, que outra Margareth?  Que outra Daniela?  Que outra Ivete?



    Escrito por LUX! às 21h43
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    CHUVA, SUOR E CERVEJA

    O Thomas repete a toda hora que apenas pensar no nosso carnaval em Salvador o deixa extenuado.  Compartilhar o meu carnaval em Salvador não ajudou muito.  Talvez eu não devesse ter destacado a minha inusitada experiência sensorial, dar-me conta do cheiro de suor, cerveja, urina e lança-perfume no sol do meio-dia. 

     

    Bom, o bloco de Margareth sai à noite, o que já é muita coisa.



    Escrito por LUX! às 21h43
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    GOOD NEWS, BAD NEWS

    A boa notícia de eu não estar namorando, ou de eu estar namorando sozinha, é que, weeee, ninguém tem ciúmes de eu me jogar no carnaval de Salvador!

     

    A má notícia de eu não estar namorando, ou de eu estar namorando sozinha, é que, sniffff, ninguém tem ciúmes de eu me jogar no carnaval de Salvador!



    Escrito por LUX! às 21h42
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    ABUNDÂNCIA 2

    Não foi o que planejamos ou mesmo imaginamos, mas já que teremos um carnaval completo em Salvador, vou ME JOGAR!



    Escrito por LUX! às 21h41
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    ABUNDÂNCIA

    Não foi o que planejamos ou mesmo imaginamos, mas teremos um carnaval completo em Salvador.  Além de sair no bloco de Margareth, temos convites para um camarote para todas as noites.  Esses convites vieram de um amigo do Thomas do ISH. 

     

    JALLALLA!



    Escrito por LUX! às 21h40
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    NOTA DE RODAPÉ

    O pessoal do budismo Theravada em São Paulo, em especial o Flávio, o Fernando e a Ayako, são uns bodhisattvas.  (Bem, piadinha para quem sabe um pouquinho de budismo.)  Com eles percorri boa parte do Caminho da Fé.  O Alê é meu amigo desde os 13 anos de idade.  Eu poderia escrever um blog todo sobre o meu amor por esse homem guerreiro, generoso, lindo, chique, inteligente, fiel.  As amigas com as quais fui para Salvador, e para tantos outros lugares, são parte da nossa turma, a turma mais inclusiva, divertida, linda a que alguém pode pertencer.

     

    Sobre todos eles escreverei mais tarde.

    Escrito por LUX! às 18h35
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    A BEIJOQUEIRA

    Carnaval não é a minha praia.  Nos últimos cinco carnavais, dois passei em retiros de budismo Theravada, em silêncio absoluto.  Outro passei numa rave em Maresias com o mega-DJ Carl Cox e meus amigos Alex, Serginho, Marcelo, Celsinho. 

     

    Sim, foi o que aconteceu.

     

    Mas em 1999 passei o carnaval em Salvador com minhas amigas Paty, Tatá, Dê, Adriana, Eli, Marcinha e Celina.  Saímos no bloco da banda Asa de Águia, aquela da Dança da Manivela.  Tenho todo tipo de boa lembrança daquele carnaval, em especial o ritual de personalização dos abadás, a Paty presa no banheiro, nossas animadas conversas com os artistas do SBT, a minha premiação como a mais beijoqueira do nosso grupo. 

     

    Sim, foi o que aconteceu.



    Escrito por LUX! às 18h34
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    OS MASCARADOS

    O Soutinho já decretou que temos que estar em Salvador para o carnaval, e que o nosso bloco é o de Margareth Menezes.  Esse bloco é o mais bacana, o mais inclusivo, o mais mulheres-lindas, o mais GLS, o mais artistas-intelectuais-profissionais-liberais, o mais inovador.  Além do mais, é lá que ele, duas amigas paulistanas e o marido de uma delas brincam, e não faz o menor sentido que uma paulistana e um francês, os dois sem nenhuma experiência de carnaval em Salvador, estejam em qualquer outro lugar.

     

    Eu tento explicar que sim, já tive uma experiência de carnaval em Salvador.  Mas isso parece tão irreal que o Soutinho nem me dá ouvidos.



    Escrito por LUX! às 18h33
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    A BAHIA TEM UM JEITO

    Dorival Caymmi disse tudo:  “A Bahia tem um jeito / Que nenhuma terra tem”.  Adoro estar na Bahia, adoro chegar na Bahia, adoro aterrissar na Bahia.  Saio do aeroporto feliz da vida, fascinada pelas placas que orientam o trânsito para Itapoã, Abaeté, Curuzu, Barra, e ouvindo em cada uma delas as canções de Caetano, Gil, Caymmi.

     

    Nosso primeiro dia na Bahia passamos em Salvador, na casa de Alba e de Amedeo na lindíssima praia de Aleluia.  Alba e Amedeo são tios do meu amigo Soutinho, meu guru para tudo que é baiano e sincrético, meu padrinho num projeto que batizei de Mary Jane, e sobre o qual falarei outra hora.  Alba e Amedeo vivem no meio de uma contagiante efervescência cultural, intelectual e afetiva.  Muitas idéias, muita conversa, muita gente, muitos deles família, primos, sobrinhos.



    Escrito por LUX! às 18h32
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    EU SINTO MUITO, EU AMO VOCÊ! 3

    Eu sinto muito que você tenha perdido o bebê.  Eu sinto muito que você esteja passando de novo por essa dor, que deve ser a mais dolorida das dores.  Eu sinto muito que eu não esteja aí para ajudá-la a aliviar essa dor.  Meu anjo lindo, eu amo você!

    Escrito por LUX! às 09h40
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    EU SINTO MUITO, EU AMO VOCÊ! 2

    Na estrada perigosamente molhada que liga Brasília a Luziânia, um Gol Turbo preto ultrapassa-nos em alta velocidade.  Cinco, dez quilômetros a frente vemos uma motociclista, macacão de nylon e capacete, caída no chão, algumas peças ao seu redor.  Ela se levanta com dificuldade e apressa-se para o canteiro que divide a estrada.  Um pouco adiante, no acostamento, vemos estacionado o Gol Turbo preto.  O motorista salta do carro, atravessa a pista em direção à motociclista, mesmo se lança, se projeta em sua direção, nenhuma atenção no fluxo de carros e caminhões.  Ele encontra a motociclista no canteiro, olha-a nos olhos, e logo a abraça.

     

    “Eu sinto muito, eu amo você!”, eu e o Thomas o imaginamos dizendo.

    Escrito por LUX! às 09h39
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    EU SINTO MUITO, EU AMO VOCÊ!

    No ISH lemos um texto sobre uma prática de cura havaiana, ho’oponopono.  Essa prática nos lembra que o outro não é o outro, o outro só existe como reflexo, como projeção de mim mesma, só está no meu universo para me ensinar algo sobre mim mesma. 

     

    Se eu vejo no outro um problema, uma doença, Lúcia don’t preach!  Devo antes encontrar esse problema, essa doença em mim, e curar a mim mesma!  Curando a mim mesma eu curo o outro, eu curo o meu mundo, eu curo o mundo.

     

    O amor, diz o ho’oponopono, é a melhor forma de cura.  Basta que eu invoque o espírito do amor, sem pensar em algo ou alguém em particular, para que o amor cure dentro de mim o problema ou a doença que vejo no outro.  Basta que eu repita e repita “eu sinto muito, eu amo você!”. 

    Escrito por LUX! às 09h37
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    113 BPM

    “Atenção tripulação:  Preparar para a aterrissagem!”  Basta ouvir esse comando para o meu coração acelerar.  Meu Polar acusa um pico de 113 batimentos por minuto, e essa é a menos desconfortável das minhas sensações.  A pior delas é a palma das minhas mãos transpirando.  Não, a pior delas é a sensação de que o tempo desacelerou, mesmo parou, que cada segundo nesse avião chacoalhando não tem fim.  Não, a pior delas é sentir o meu estômago, lembrar que tenho um estômago, é estar consciente dessa parte que ignoro do meu corpo.  Não, a pior delas é sentir minha mente visitada por uma pletora de flashes de indignação, mesmo de raiva.  Caraca.  Que inferno estar aqui!  O carro tinha que quebrar?  Por que o Thomas tem que me mostrar que as rodas do trem de pouso estão descendo?  Santos Dumont inventou uma insensatez, o ser humano nasceu para ter os pés no chão.  Não precisa me contar que você também está desconfortável com esse pouso, Thomas!

     

    E basta o avião tocar o solo de Salvador para tudo isso desaparecer, parecer exagerado, até engraçado, virar material de auto-conhecimento.

     

    As sensações e os sentimentos vão e vêm.

    Escrito por LUX! às 09h34
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    YO-YO MA!

    Esse bimotor pintado de bege que nos leva a Salvador tem um jeitão art-déco, é Rick despedindo-se de Ilsa no final de Casablanca.  

     

    Poderia ser pior.  Já voei de Salvador a São Paulo num monomotor, um Caravan da minha übber-amiga Silvinha.  Com exceção de mim e da Júlia, todos os dez ou quinze passageiros nesse vôo carregam paraquedas, pois voltamos de um boogie de paraquedismo em Itaparica.  Imagino esse avião em pane, todo mundo organizado, enfileirado, aguardando sua hora de saltar.

     

    Depois eu conto como fui parar num boogie de paraquedismo em Itaparica.  aviso que para uma pergunta não tenho resposta, e essa pergunta é como uma jovem senhora pacata como eu sempre se vê rodeada de pessoas bacanas, audaciosas e divertidas para caramba.

     

    Quando o avião atinge a altitude de cruzeiro, está estável, adoro estar voando.  Adoro quando há nuvens, adoro estar acima das nuvens, adoro, através das nuvens, ver a terra, ver o todo, ver tudo tão insignificantemente pequeno.

     

    Mas quando o avião decola e aterrisa e, pior, quando há turbulência no meio do vôo... Yo-Yo Ma!  Boutros Boutros-Ghali!



    Escrito por LUX! às 23h47
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    LA DIVINE PROVIDENCE EST DE NOTRE CÔTÉ

    Sim, Marie-Anne, a divina providência está do nosso lado.  E não só ela, mas também os astros, os signos, os búzios, as cartas, o tarô, os orixás, os budas e os bodhisattvas.  

     

    Eu e o Thomas estamos recebendo uma abundância de proteção, carinho, hospitalidade, acolhimento.  As poucas coisas que deram errado, deram errado na hora certa, no lugar certo.  E proporcionaram-nos uma experiência ainda mais especial do que aquela que havíamos contemplado.

     

    Mas nada disso me surpreende.  No alto da Pedra das Araras fomos, eu, a Mayara e o Seu Kardec, sobrevoados por um urubu rei.  Ser sobrevoado por esse majestoso e raríssimo urubu branco é, revelou-me a Mayara, de muitíssimo bom agouro.



    Escrito por LUX! às 23h23
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    A VOZ DO JOÃO PAULO

    Enquanto eu buscava reconhecer, entre todas essas vozes em mim, aquela que vem do coração, uma voz falou mais alto:  A voz do João Paulo.  Chapada Diamantina, ele disse.  Entre todos os lugares na Bahia, começamos com a Chapada Diamantina, eu e o Thomas concordamos. 

     

    No dia seguinte voamos para Salvador, alugamos um carro e seguimos para a Chapada Diamantina. 

     

    É para lá, Marie-Anne, que a diligência do seu filho e a divina providência vão nos levar.



    Escrito por LUX! às 10h42
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    UM É POUCO, DOIS É BOM, TRÊS É PERFEITO

    Que três é equilíbrio perfeito já foi defendido pela Igreja na divina trindade, por Montesquieu na tripartição dos poderes, por Pitágoras no seu fascínio por triângulos.  Para a antroposofia, equilíbrio perfeito é o que se dá entre mente, corpo e alma, e é esse que me interessa agora.

     

    Essa viagem começou com uma dimensão espiritual forte, de encontrar-me só no meio do mato e do nada.  Depois veio uma dimensão mental, uma agenda apolínea de reuniões, visitas, e elaborações racionais sobre o melhor uso da terra.  Agora, convenhamos, precisamos de uma certa euforia dionisíaca, aquela que só o corpo nos proporciona.

     

    Por mim, vamos à Bahia.



    Escrito por LUX! às 10h33
    [] [envie esta mensagem
    ] []



     
      [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]